Ônibus Incendiado – Bala Perdida

Rio de Janeiro, 2003-2009

Guga Ferraz
gugaferraz.blogspot.com

A obra do artista carioca, Guga Ferraz, tem uma forte relação com os processos de exclusão e violência nas cidades, em especial do Rio de Janeiro, uma cidade onde a guerra pelo tráfico e os conflitos nas periferias da cidade tomam proporções de uma verdadeira guerra civil.

Guga cria intervenções silenciosas e ao mesmo tempo fortes, que deflagram essas relações de violência nas cidades, especialmente contra as pessoas mais pobres e em situação de risco social, como os moradores de rua, e moradores das favelas, mas também mostra que a violência está espalhada por todas as classes sociais.

Seus trabalhos criam ruídos nos meios, comunicação urbanos, como as placas de sinalização, mobiliários urbanos e a sinalização oficial, como adesivos nos meios de transporte público. Em “Ônibus Incendiado” (2003-2009), o artista cola pequenos adesivos de fogo nas imagens dos ônibus, nas placas dos pontos. Na ocasião, o trabalho foi confundido com apologia do crime, sendo inclusive alvo de uma possível investigação policial.

Em “Bala Perdida” (2003-2009), o artista faz uma intervenção no circuito de comércio po-pular muito comum nas cidades brasileiras: jovens, que vendem balas no trânsito. Quando o sinal está fechado, eles colocam sobre os retrovisores, saquinhos plásticos com balas e mensagens geralmente de cunho cristão. Nesse trabalho, o artista reproduz a ação dos vendedores de bala, porém, com estilhaços e cartuchos de balas de armas de fogo encontrados pela cidade.

Seu trabalhos são sutis e muitas vezes incorporam o design das mensagens oficiais. Assim, interfere neste organismo vivo que é a cidade, onde várias coisas se somam e se completam na dinâmica urbana, informando e confundido quem passa por ali.

/////

 

The work of Rio de Janeiro artist Guga Ferraz has a strong relationship with the processes of exclusion and violence in the cities, especially in Rio, a city where the territorial disputes of drug trafficking and the conflicts in the marginalized outskirts of the city take on the proportions of a true civil war.

Guga creates silent yet at the same time strong interventions, that show these violent situations in the cities, especially those committed against the poorest of people, in a situation of social risk, like the homeless population and residents of the shanty towns. The artist also seeks to reveal how this violence today is spread throughout all of the social classes.

His works make noises in the urban means of communication, such as traffic signs, public real estate offices and official signage. In “Ônibus Incendiado”, the artist glued small stickers of fire on the images of the buses and on the signs that signal the bus stops. The work, on the occasion, was interpreted as an excuse for for criminal activities, even being the target of a police investigation.

In “Bala Perdida”,* Guga makes an intervention in a circuit of popular commerce that are very commonly found in Brazilian cities: youth selling candy in traffic. When the light is red, they hang little plastic bags on the rear view mirror that contain candy and messages, generally of a christian nature. In this work, the artist reproduces this action of the candy vendors, however in this case with shards and cartridges of firearms found throughout the city.

His works are subtle and often incorporate the design of official messages. In this way, the artist interferes in this live organism which is the city, where a variety of things add themselves up and complete each other in the urban dynamic, informing and confusing those who pass by.