Glossário

Arte: Arte é um termo em constante mutação. Seus significados, papéis e formas de entendimento dependem dos contextos, épocas e locais. A arte pode ser, como disse Nicolas Bourriaud, “uma atividade que consiste em produzir relações com o mundo com a ajuda de signos, de formas, de gestos ou de objetos”. Pode ser também uma forma de conectar as pessoas a um mundo sensível, da criatividade, da ludicidade, do belo, do político e do crítico; ou uma maneira de se criar processos de subjetivação libertários em um mundo marcado pelo controle, pela lógica do mercado e pela violência em todas suas formas. Como aponta Deleuze, “toda a arte é um ato de resistência. Todo ato de resistência é revolucionário”.

Art: “Art” is an expression in continuous mutation. Its meanings, roles and methods of comprehension are dependent on a variety of contexts, time periods and locations. Art can be, as Nicolas Bourriaud once said, “an activity which consists of creating relationships with the world, with the aid of signs, shapes, gestures or objects“. Art may also be a way to connect people to a world of sensibility, creativity, recreation, beauty, politics and critical thinking. Art may be a mean to create libertarian subjectivation processes in a world marked by control, by market-based logic, and by all shapes of violence. Deleuze also points out that “any form of art is an act of resistance. Every act of resistance is revolutionary”.

Arte Crítica: Arte Crítica é uma arte que fomenta dissensos, ou seja, traz para a visibilidade questões que o consenso dominante tenta apagar ou esconder. É uma prática artística que busca desestabilizar as certezas que temos. Pretende se mostrar – e se criar – em espaços cheios de invenção, nos quais é possível aprender a enxergar a realidade com outros olhos. É uma arte que contempla respostas críticas às questões sociais, políticas ou culturais.

Critical Art: “Critical art” is an art which fosters dissention – that is, an art which brings visibility to matters the mainstream consensus attempts to erase or hide. Its is an artistic practice which aims to destabilize that of which we are certain of. It aims to show itself and create itself in areas brimming with inventiveness, where it is possible to learn to see reality through different eyes. Those are actions created as critical reactions to social, political, or cultural issues.

Articulação: Articular é uma forma de potencializar as ações. Consiste na criação de uma rede de pessoas e iniciativas que, unidas, são mais fortes e formam laços de solidariedade e criam estratégias de atuação.

Articulation: The act of articulating is another way to potentialize actions. It consists of creating a network of people and initiatives which, united, are much stronger and shape solidarity bonds, creating actuation strategies.

Ativismo: Termo que possui uma multiplicidade de significados. Está relacionado à militância política, ao envolvimento com movimentos e causas sociais. Os ativistas são pessoas envolvidas em ações políticas, direta e indiretamente. Ativismos são ações que visam mudanças sociais ou políticas.

Arte política: O termo Arte Política está relacionado às obras de Arte Crítica, contemplando ações caracterizadas por um envolvimento social e cultural na sua criação e produção. Alguns autores, porém, como Chantal Mouffe, afirmam que não é possível distinguir entre arte política e arte não política, pois todas as manifestações artísticas sempre trazem em si ideologias. Nesse sentido, mesmo a arte não crítica pode ser considerada política.

Political Art: The expression “political art” is related to works of art of a critical nature, taking a social and cultural approach. However, according to some authors such as Chantal Mouffe, it is not possible to distinguish between political art and non-political art, since all artistic manifestations always bring an ideology within themselves – which means even non-critical art is political in nature.

Ativismo artístico: Ações de Arte Crítica, que ocupam ou se apropriam de situações para construir experiências sensíveis, antiespetaculares e que buscam romper com a hegemonia das imagens consensuais. A reunião desses dois temas – Arte e Ativismo – se dá muitas vezes nas ações dos coletivos de arte, que articulam seu fazer artístico às intervenções de ordem política e social. Para saber mais sobre esse assunto, temos um precioso material produzido pelo pesquisador André Mesquita: Insurgências Poéticas: Arte Ativista e Ação Coletiva. São Paulo, Annablume/Fapesp, 2011.

Artistic Activism: Actions of critical art, which occupy or appropriate situations to build sensible and unspectacular experiences, which aim to break away from the hegemony of consensual imagery. The meeting of these two themes – art and activism – happens many times through the actions of artistic collectives, which unite their artistic work with interventions of political and social nature. For more information about this topic, please consult a valuable work included in this project, written by the researcher André Mesquita, accessible in: Mesquita, André. Insurgências Poéticas: Arte Ativista e Ação Coletiva. São Paulo, Annablume/Fapesp, 2011.

Cidade: As cidades de acordo com Hanna Arendt não seriam apenas a dimensão terrestre ou as edificações, elas contemplam também o espaço de relações e as relações sobre elas erguidas. É portanto um lugar criado pelo homem para o encontro, as trocas, a alteridade, as conversas e o diálogo. Não é possível criar uma definição para a cidade, pois existem várias cidades dentro da cidade, vista de cima, vista por dentro, por fora, todas mostram lugares vazios, lugares cheios, lugares de exploração, exclusão, violência e uma diversidade enorme de possibilidades.

City: According to Hanna Arendt, a city is not just defined by its earthly extent and its buildings; a city is a space of relations, and the relationships built over them. It is as such, a place created by Man for meetings, exchanges, alterity, conversations and dialogues. It is not possible to create a single definition for what constitutes a city, since many other cities are contained within it; all possible viewpoints – from the inside to the outside – display empty areas, populated areas, places of exploration, exclusion, violence, and many more possibilities.

Colaboração: Uma colaboração ocorre quando um grupo de pessoas se une para criar algo que seria impossível fazer sozinho. Para isso é necessário haver diálogo, comunicação, concessões. Verdadeiros trabalhos colaborativos de arte são aqueles em que as pessoas se envolvem, no tempo e no espaço, formando uma rede de interesses comuns. A colaboração e seus termos irmãos, como livre-cooperação, comunidade, interação e rede, é palavra-chave para uma transformação política que está se dando em escala global.

Collaboration: A collaboration occurs when a group of people gather to create something a single person would never be able to. For such a thing to happen, it is necessary to communicate and make concessions. True collaborative works of art are those in which multiple people are involved through time and space, forming a network of common interests. Collaboration and similar terms, such as free cooperation, community, interaction and networking are keywords for a currently ongoing global political transformation.

Coletivo: Termo usado para descrever grupos de artistas envolvidos em práticas colaborativas. Mas pode ser usado também para designar qualquer ajuntamento de pessoas que trabalham por uma causa ou em algum processo criativo. Coletivos de arte privilegiam, muitas vezes, uma produção artística que transita por diversas áreas do conhecimento. Envolve trabalhos que valorizam o processo em detrimento da produção de um “objeto” a ser exposto. Articulam, entre seus integrantes, saberes, contatos e modos de fazer, que somados produzem resultados que não poderiam ser alcançados individualmente.

Collective: This term is used to describe groups of artists involved in collaborative practices. But it may also be used to designate any gathering of people working for a cause or in a creative process. Artistic collectives often favour an artistic production in transit through a diversity of areas of knowledge. They are involved with procedural works which value the process in detriment of the production of an “object” to be exhibited. They articulate through their participants, knowledge, contacts and methods which, by the means of their sum, produce results which could not be reached by a single person.

Contra-Informação: É uma apropriação dos meios de circulação e produção da informação para deslegitimar o estado de poder das mídias “oficiais”. Através do uso dos meios de comunicação, das redes sociais, dos meios impressos ou artísticos é possível produzir imagens, relatos, vídeos ou textos que promovem a desconstrução dos discursos oficiais. Podem ser desvios, ou intervenções em publicidade, ou a produção de mídia independente, jornais, zines, cartazes, sites, blogs, páginas em redes sociais, canais de TV, rádios piratas, transmissões online, entre outros.

Counter-Information: It is an appropriation of the means of circulation and production of information, done with the intention of delegitimizing the state of power of the “official” media. Through the usage of means of communication, social networks, print media and artistic means, it is possible to produce images, reports, videos or texts promoting the deconstruction of official discourse. They may be publicity interventions or deviations, or the production of independent media – including newspapers, magazines, banners, websites, blogs, social networking pages, television channels, pirate radio, online broadcasting, and others.

Direito à cidade: A cidade que queremos está totalmente associada ao tipo de pessoas que queremos ser. Podemos então observar a ideia central de Henri Lefebvre sobre o direito à cidade: “não como um simples direito de visita ou como um retorno às cidades tradicionais”, mas “como um direito à vida urbana transformado e renovado”. Sua noção aponta para o fato de que o direito à cidade é muito maior do que o direito ao acesso aos espaços da cidade, mas é acima de tudo o direito de transformar a cidade de acordo com os nossos desejos. O direito à cidade, para Lefebvre, é um direito humano dos mais importantes, pois através dele seria possível reconstruir os tipos de relações sociais que queremos. Para saber mais leia: Lefebvre, Henri. O direito à cidade. Tradução Rubens Frias. São Paulo, Ed. Moraes, 1991.

The right to the city: The kind of city we want is wholly associated to the kind of people we want to be. This allows us to observe Lefebvre’s central idea in regard to the right to the city: “not as a simple right to visit or as a return to traditional cities“, but “as a transformed and renovated right to urban life“. This concept points to the fact the right to the city is much greater than the right to access the spaces in the city, but is above all the right to change the city according to our desires. To Lefebvre, the right to the city is one of the most important human rights, since it makes it possible to rebuild the types of social relationships we want. For more information, please consult Henri Lefebvre’s “The right to the city“.

Documentação/Registro: Diz respeito aos registros de toda natureza, como fotografias, vídeos, gravações de áudio, relatos, ilustrações, material impresso, correspondências, etc. Documentação é a reunião desse material, relativo a uma ação, trabalho artístico, processo criativo, etc., com o objetivo de produzir arquivos que criam história, memória, e compartilham ações. A documentação e o registro levam parte dos projetos a outros espaços e tempos, permitindo sua ressignificação ou servindo como matéria bruta ou referência para outros projetos e reflexões.

Documentation/Record: It refers to records of any nature, such as photographs, videos, audio recordings, reports, illustrations, printed works, letters, etc. A documentation is the gathering of all of these materials, in relation to an action, artistic work, creative process and more, with the objective of creating memory and history-forming archives, capable of sharing actions. A documentation or record takes a part of the projects to other spaces and times, allowing them to be redefined or to serve as a raw matter or reference to other projects and reflections.

Deriva: A Deriva é um modo de comportamento experimental que visa a uma experiência viva da cidade. É a pratica de andar sem rumo.

Drift: Drift is an experimental behavioral mean which aims to generate a life experience in the city. It is the practice of drifting through a space, with no set course.

Espetáculo: No sentido dado por Guy Debord: “o espetáculo é o capital em tal grau de acumulação que se torna imagem”. Diz respeito a um estágio do capitalismo avançado onde a imagem ganha uma onipresença na vida em sociedade, de forma que as relações humanas não são mais “diretamente vividas. É a transição do “ser” para o “parecer”. O Espetáculo para eles seria “a alienação e a passividade da sociedade” e o seu antídoto seria “a participação ativa dos indivíduos em todos os campos da vida social, principalmente no da cultura”. Ver: DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo, Contraponto, Rio de Janeiro, 1997.

Spectacle: As defined by Debord: “the spectacle is the capital at such a degree of accumulation it becomes image“. It refers to a stage of advanced capitalism in which image becomes omnipresent in the life in society, in such a way that human relations are no longer directly lived through. It is the transition of “being” to “appearing to be”. According to him, the spectacle can be seen as “society’s passiveness and alienation“, and its antidote would be “the active participation of individuals in all areas of social life, specially the cultural area“. For more information, please consult Guy Debord’s “The Society of the Spectacle“.

Gentrificação: É uma das principais estratégias do capitalismo atual e inclui o investimento de grandes recursos em ações denominadas de “requalificação ou revitalização” de áreas “esquecidas” da cidade. A partir de uma lógica de especulação imobiliária, baseada em negociações entre o setor privado e os governos, esse tipo de iniciativa transforma lugares para atrair novos investimentos. Geralmente envolve a realização de grandes empreendimentos imobiliários em áreas pobres ou desvalorizadas, incluindo a construção de imóveis de alto padrão e a criação de serviços e espaços para consumo (lojas, restaurantes, cafés e shoppings) e lazer (centros culturais, museus, galerias, etc.). Como consequência, a gentrificação leva à expulsão ou à substituição das famílias de baixa renda pelas de classe emergente. Portanto, a gentrificação não é um processo apenas físico (de intervenção no lugar) ou econômico, mas é também cultural e social, pois modifica todos os aspectos culturais de uma determinada região.

Gentrification: It is one of the main strategies of modern capitalism. It involves the financial investment, many times called “requalification” or “revitalization”, of forgotten areas in a city. By means of real estate speculation, it transforms these places to attract investments. This generally happens in impoverished or devalued areas, on which great building ventures are carried out, generally involving high standards and the creation of services and spaces for consumption (shops, restaurants, diners, malls) and leisure (cultural centers, museums, galleries, etc.), causing transformations and explorations by using negotiations between the private sector and the governments as a starting point. Consequently, gentrification leads to the eviction or substitution of families with low income by those in the emergent class. Therefore, gentrification is not only an economical and physical process (intervening over a place), but is also cultural and social in nature, since it modifies all the cultural aspects of the affected region.

Grupo: Sinônimo de Coletivo, um grupo serve, entre outras coisas, para viabilizar projetos que os membros não conseguiriam realizar sozinhos. Num grupo busca-se compartilhar os processos e socializar os resultados. É um núcleo de produção em que a questão da autoria se dissolve.

Group: A synonym of collective, a group functions – amongst other purposes – to facilitate projects which could not be carried out by a single person. Those in a group aim to share the processes and socialize the results. It is a production core in which the matter of authorship is dissolved.

Inserções em Circuitos Ideológicos: As Inserções tomaram forma em dois projetos do artista Cildo Meireles – “Projeto Coca-Cola” e “Projeto Cédula” – que nasceram da necessidade de criar um sistema de circulação, de intercâmbio de informações que não dependesse de nenhum tipo de controle centralizado. Consistia na inserção de mensagens como “Quem Matou Herzog” ou “Ianques Go Home” em cédulas de dinheiro ou nas garrafas de Coca-Cola. O trabalho utiliza os meios de circulação próprios do dinheiro, ou das garrafas de refrigerante, para existir.

Insertions into Ideological Circles: Insertions have taken shape in two projects by the artist Cildo Meireles: “Projeto CocaCola” and “Projeto Cédula”, which were born out of the need of creating a system of information exchange and circulation, with no dependency on any kind of centralized control. It consisted of the insertion of messages like “Who killed Herzog?” or “Yankees Go Home” in ballots or Coca-Cola bottles. The continued existence of the project utilizes the established circulation means of currency and soda bottles.

Internacional Situacionista: Criada em 1957 numa conferência em Cosio d’Aroscia, Itália, por membros da Internacional Letrista e do Movimento por uma Bauhaus Imaginista, a Internacional Situacionista (IS) envolveu um grupo de intelectuais e artistas de vários campos que se associaram num movimento artístico, político e poético, criado e liderado por Guy Debord. Era um grupo radical de crítica política e constituiu uma vanguarda artística que pretendeu – e exigiu aos seus membros – a ultrapassagem das formas vigentes de arte e a disposição de todas as suas energias a serviço da revolução. O tédio era entendido como a pior das coisas, como forma de patologia social que conduz a humanidade à pior escravidão. Percebiam a importância da produção industrial da cultura como fenômeno profundamente transformador das estruturas simbólicas, inaugurando a “sociedade do espetáculo”, conforme descrita e criticada por Guy Debord.

Situationist International: Created in 1957 at a conference in Cosio d’Aroscia, Italy, by members of the Lettrist International and the International Movement for an Imaginist Bauhaus, the Situationist International (SI) was formed by a group of intellectuals and artists from a diversity of fields, which associated themselves to an artistic, political and poetic movement created and led by Guy Debord. It was a radical group of political critique, and was constituted of an artistic vanguard which aimed for – such was demanded from its members – the overcoming of the prevailing forms of art and the disposition of all energies at the service of the revolution. Boredom was regarded as the worst of all things, as a form of social pathology leading humanity to the worst kind of slavery. They realized the importance of the industrial production of culture as a deeply transforming phenomenon to symbolic structures, unveiling the “society of spectacle”, as described and critiqued by Guy Debord.

Intervenção: Esse termo é usado quando objetos, imagens ou informações são colocadas em certos contextos (museus, jornais ou na rua), interrompendo a percepção da arte e chamando atenção para as mensagens veiculadas ali. Pode ser entendida como um procedimento prático, ou uma ação que se dá nas estruturas urbanas, em que o artista intervém produzindo ou alterando as caraterísticas do local da ação.

Intervention: This term is used when information, objects or images are put into specific contexts (museums, newspapers or the streets) interrupting the perception of art and drawing attention to the messages contained within. It can be regarded as a practical procedure, or as an action taking place in urban structures on which the artist intervenes by producing or modifying their features.

Livre Informação: A defesa da livre informação está relacionada diretamente ao contexto da luta pela democratização da comunicação e pelo direito humano de acesso à informação e livre expressão do pensamento. Nessa perspectiva, o exercício efetivo da cidadania pressupõe a possibilidade de todxs as pessoas buscarem seus meios de livre expressão e manifestação do pensamento, sem restrições ou qualquer tipo de controle. Nesse sentido, busca-se combater a hegemonia da grande mídia, que veicula apenas aquilo que é de seu interesse, criando situações falsas que geram a desmoralização de certos grupos, ações e pessoas.

Free Information: The defense of free information is done with the intention of making information democratic, believing that the free expression of thought and true knowledge of the facts are pivotal for the sound exercise of citizenship. It aims to resist the greater media, which displays only what relates to its interests and creates false situations to demoralize specific groups, actions and people.

Paisagem: Milton Santos aponta que a palavra paisagem pode ser entendida como um “conjunto de elementos naturais ou artificiais que fisicamente caracterizam uma área”. “A rigor, a paisagem é apenas a porção da configuração territorial que é possível abarcar com a visão”. Ele afirma ainda que a paisagem é constituída de objetos passados e presentes, portanto é transtemporal.

Landscape: Milton Santos indicates that “landscape” can be understood as a “collection of natural or artificial elements which physically characterize an area“. “There is no such a thing as an inert, stationary landscape, and if we use this concept, it should only be as an analytical resource. Landscape is materiality, formed by material and immaterial objects”. He also states that a landscape is composed of past and contemporary objects, and as such it is transtemporal.

Psicogeografia: Experiência prática de apropriação lúdica do território urbano, criada pelos Situacionistas, que abrange a produção de uma geografia afetiva, subjetiva, que busca cartografar as diferentes ambiências psíquicas provocadas, basicamente, pelas deambulações urbanas. A psicogeografia propõe o “estudo dos efeitos específicos do meio geográfico, conscientemente ordenado ou não, e suas influências sobre o comportamento afetivo dos indivíduos.”. Ver JACQUES, P. B. (Org.) Apologia da Deriva. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

Psychogeography: A practical experience of recreational appropriation of urban territory, created by the Situationists, which can be defined as the production of an affective, subjective geography. It intended to map the many different psychic ambiences, basically provoked by urban wanderings. Psychogeography proposes the “study of the specific effects of the geographic medium, consciously sorted or otherwise, and its influences over the affective behavior of individuals“. For more information, please consult JACQUES, P. B. (Org.). Apologia da Deriva. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

TAZ: Zonas Autônomas Temporárias (tradução de TAZ – Temporary Autonomous Zones). Na denominação de Hakim Bey, TAZ são lugares, que por uma fração do tempo, funcionam de maneira independente de qualquer controle político do Estado.

TAZ: Temporary Autonomous Zones, as denominated by Hakim Bey, are places which, for a fraction of time, function independently from any sort of political control by the State.

Urbanismo Unitário: Criado pelos Situacionistas, não era uma proposta de urbanismo, mas sim uma crítica a ele. Consiste em uma teoria urbana crítica que busca o emprego conjunto de artes e técnicas que trabalham para a construção integral de um ambiente em ligação dinâmica com experiências de comportamento. O urbanismo unitário luta contra o tédio nas cidades através de exercícios livres que “descondicionam” os modelos de vida para organizá-los de outra maneira, de forma a criar um novo padrão de comportamento para o cotidiano. O pensamento do urbanismo unitário foi a base para a criação da “Nova Babilônia”, uma proposta de cidade utópica, desenvolvida pelo arquiteto holandês Constant. Nessa cidade, existiria uma infinidade de construções experimentais inacabadas abertas ao uso livre pelos seus habitantes.

Unitary Urbanism: Created by the Situationists, it was not a proposal of urbanism, but a critical statement to urbanism. It is a critical theory which sought the collective employment of arts and techniques which worked for the integral construction of an environment dynamically connected to behavioral experiences. Unitary urbanism counteracts the boredom in cities by means of free exercises, which decondition the established life models to organize them in a different manner, so as to create a new standard of behavior for ordinary life. The idea of unitary urbanism was the basis for the creation of “New Babylon”, a proposal for an utopian city, developed by Dutch architect Constant Nieuwenhuys. In this city, there would exist an infinity of experimental, unfinished constructions, available to be freely used by its inhabitants.

Utopia: De acordo com Milton Santos, a utopia não é algo inatingível, irrealizável, mas sim a possibilidade real de mudança.

Utopia: According to Milton Santos, “utopia” does not refer to something unattainable, unrealistic; it refers, in truth, to the real possibility of change.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios